Com 31 anos sou sem sombra de dúvida uma pessoa muito mais consciente e atenta à minha pele. Infelizmente, começo a notar alguns sinais de envelhecimento na minha pele e isso faz-me pensar naquilo que podia ter feito para os evitar.

Esta consciência tomou conta de mim principalmente quando comecei a trabalhar em farmácia (há 5 anos) e a ter mais contacto com as marcas, produtos e clientes. Até lá fiz muita coisa errada.

Ir para a cama sem desmaquilhar

Acreditem, eu sabia que estava errado! Mas naquelas noites mais longas pensava “é só desta vez” ou “daqui a umas horas já estou a remover isto tudo da cara”. A preguiça era tanta às vezes…. NÃÃÃÃÃOOO! Ir dormir sem desmaquilhar é dos piores erros que podemos fazer.

À noite é quando a pele “investe” mais tempo na renovação celular. Não limpar a pele e deixá-la com maquilhagem e poluentes (lembram-se quando ainda era permitido fumar dentro dos bares?) dificulta muito o processo de exfoliação natural, que tanto ajuda a manter a pele saudável. Além disso, se não estamos a remover a maquilhagem/sujidade, muito provavelmente não estamos a fazer qualquer tipo de cuidados de pele. Resultados a curto prazo: pele baça e desidratada.

Agora culpo essas noites de preguiça pelas minhas rugas e linhas no contorno dos olhos.

Demasiada exposição solar

E como eu me arrependo! Nunca gostei propriamente de torrar nas horas de maior calor. Ainda assim, tinha alguma consciência. Mas negligenciei muitas vezes o protetor solar, naquela febre de ficar mais bronzeada.

Depois do verão  havia sempre o “bullying” de quem, por natureza, tinha um tom 2 ou 3 vezes acima do meu. Para eles era quase má vontade da minha parte eu não estar mais bronzeada. Não tinha, com certeza, me divertido tanto quanto eles!

Tenho um tom de pele e cabelo claro e apesar de não parecer ter tendência para manchas, tenho alguns lentigos solares (ou as chamadas “manchas da idade”) principalmente nos ombros.

Protetor solar diário também foi um hábito tardio. Apesar de as redes sociais estarem recheadas de protetores solares de embalagens super giras, em Portugal as farmácias só se enchem de protetores solares a partir de Maio. Continua a haver a ideia errada de que aquele frasquinho amarelo e branco que cheira a verão é apensas necessário quando pomos o pé na areia (ou piscina).

O sol é a principal causa do cancro da pele e uma das causas do envelhecimento cutâneo. Acho que estas duas razões  são mais que suficientes para usarmos protetor solar todos-os-dias!!

Não conhecer a minha pele

Sim, sempre adorei cuidados de pele. Quase desde a adolescência. Mas agora que olho para trás reconheço que não conhecia a minha pele o suficiente para perceber o que realmente precisava. Sabia que a minha pele era tendencialmente seca (e desidratada muito provavelmente) e por isso precisava de algo mais hidratante. Mas quando comprava algo era para usá-lo de seguida e até ao fim, estivesse a minha pele a gostar ou não. Só parava mesmo caso estivesse a rebentar em borbulhas. E se a pele estivesse mais baça ou com alguma desidratação era só um dia mau, pouco fazia para contornar essa situação. Não estava a prestar atenção à minha pele e acabei por gastar dinheiro nos produtos errados.

Não conhecer os produtos que usava

No seguimento do ponto anterior. Ligava muito às marcas, as marcas de referência das minhas amigas e da minha mãe. Obviamente que há marcas líderes de mercado e cujas tecnologias se baseiam em estudos de muitos anos. Mas os cuidados de pele devem ser personalizados e não é porque um produto x funcionou lindamente com uma amiga que vai ser óptimo para a minha pele.

O marketing também teve e ainda tem (sejamos realistas) alguma influência. Não fazia ideia que ingredientes procurar e por isso tudo o que dissesse pele mista a seca estava óptimo. E se fosse recente e com uma embalagem bonita melhor ainda.

Mais do que o rótulo da frente, há que olhar para a lista de ingredientes e fazer uma pesquisa, caso seja necessário. Perceber quais os ingredientes necessários para cada tipo de pele e preocupação (manchas, rugas, firmeza…) é essencial para fazermos as escolhas acertadas. Claro que podemos e devemos sempre pedir a opinião de um profissional da área (médico ou farmacêutico, por exemplo). Para mim, ler reviews também ajuda.

Se conhecesse melhor a minha pele e os ingredientes que precisava, talvez pudesse ter prevenido alguns sinais de envelhecimento que agora tanto noto.