O calor já chegou em força a Macau e, como boa portuguesa, a vontade de ir para a praia ou piscina já é muita! Apesar de a pele bronzeada, por questões culturais, não ser muito bem vestida na Ásia (já me aconteceu ter pessoas a olhar estranhamente para mim por estar bronzeada), continuo ainda a gostar de ter aquele brilho e aspeto saudável que uma pele bronzeada pode dar. No entanto, por já estar consciente dos danos que o sol pode fazer à pele, nos últimos anos tenho investido muito mais em proteger-me do sol e em usar autobronzeadores para conseguir, ainda assim, esse tão desejado glow.

Para conseguir o melhor dos dois produtos é importante no entanto perceber como funcionam e como aplicá-los. 

Protectores solares

Os protetores solares são produtos tópicos com o propósito de proteger a pele dos danos causados pela radiação UV, que podem incluir ingredientes que absorvem ou que reflectem os raios UV. Existem dois tipos básicos de raios UV (UVA e UVB) com diferentes efeitos na pele. Os UVB apenas atingem a superfície da pele e são os responsáveis pela queimadura solar, enquanto os UVA penetram na pele causando danos no DNA. Além disso, os raios  UVA estão sempre presentes, independentemente da estação ou clima e podem penetrar no vidro, daí a importância de se usar um protetor solar o ano todo. Apenas os protetores solares de largo espetro (ou “broad spectrum”) protegem a pele tanto dos UVA como dos UVB.

SPF: o que é e como funciona

FPS (ou SPF em inglês) significa  “Factor de Protecção Solar” (ou “Sun Protection Factor” em inglês) e trata-se de uma medida da eficácia do protetor contra os raios UV. Por exemplo, SPF 15 filtra 93% dos raios, enquanto SPF 50 filtra 98%. Este fator é também um guia do tempo que uma pessoa pode estar exposta à radiação solar antes de se iniciar uma queimadura. Por exemplo, no meu caso, se não aplicar protetor solar, apanho uma queimadura solar ao fim de 15 minutos quando exposta ao sol. Se aplicar um protetor solar SPF 30, será de esperar ter uma queimadura solar ao fim de de 7,5h (20 mins x 30 = 450 mins = 7,5h).

No entanto, esta medida é baseada numa quantidade ideal de produto que dificilmente é aplicada por quem o compra. A maioria das pessoas aplica 1/4 a 3/4 da quantidade necessária para se conseguir a proteção acima referida. Isto, aliado ao facto de se perder produto com o suor, com contacto físico ou água, leva à recomendação de se reaplicar a cada 2 horas.

Protetores Minerais vs. Sintéticos

Os protetores sintéticos contêm ingredientes como homosalato e avobenzona, que absorvem a radiação UV. Para que funcionem precisam de ser absorvidos e por isso é importante a sua aplicação 20 minutos antes da exposição solar. Devido à sua textura leve são indicados para peles mistas a oleosas.

Os protetores minerais funcionam por reflexão da radiação solar e contêm ingredientes como o dióxido de titânio ou óxido de zinco. Por não serem absorvidos, estes protetores têm uma ação imediata e por isso não é necessário esperar após a sua aplicação. A não absorção torna-os uma opção ideal para peles sensíveis e por isso são muitas vezes indicados para bebés e crianças. 

Como aplicar

Para garantir a distribuição uniforme dos filtros e pigmentos (produtos com cor) deve-se agitar bem antes de usar e espalhar generosamente pelo corpo todo. Não esquecer as dobras (pernas, braços e pescoço) e as zonas onde o fato-de-banho pode deixar de cobrir com os movimentos do corpo.

Atualmente, a maioria das marcas já apresenta uma ampla gama de produtos destinados a todos os tipos de peles (peles sensíveis e reativas, oleosas, secas ou mistas…), preocupações (anti-envelhecimento ou anti-manchas) e preferências de cada um (transparentes, com cor ou com perfume). Deixo-vos alguns exemplos:

Isdin Fotoprotector Tranparent spray (cara e corpo) – Um spray transparente que pode ser aplicado até na pele molhada. Com a sua fórmula de rápida absorção e com um toque seco é ideal para quem quer uma aplicação rápida e prática ou para quem tem pouco cabelo e quer proteger o couro cabeludo, sem deixá-lo oleoso.

La roche Posay Anthelios Ultra cream (cara) – Indicado para pele sensível ou reactiva com tendência a seca.  Este protetor pode ser aplicado no contorno dos olhos sem provocar qualquer reação (propriedade pouco comum nos protetores solares), o que o torna numa ótima opção para quem quer prevenir as rugas ou rídulas provocadas pelo fotoenvelhecimento dessa zona. 

Caudalie Spray Solar Lácteo (cara e corpo – Protetor enriquecido com antioxidantes (polifenóis e vitamina E) e água de uva orgânica, tornando a sua fórmula biodegradável e não tóxica para os oceanos (só esta propriedade já é de louvar, na minha opinião). Indicado para todos os tipos de pele, mesmo as sensíveis.

Bioderma Photoderm Nude Touch (cara) – Um protetor solar mineral, indicado para pele oleaosa a mista que existe em três tons: natural, claro e dourado. Com ácido salicílico suaviza o grão da pele e controla a oleosidade para um efeito mate aveludado.

Autobronzeadores

Os autobronzeadores são produtos que são aplicados topicamente para um efeito semelhante ao bronzeado, sem exposição solar. A maioria tem dihidroxiacetona (DHA) como ingrediente ativo que reage com os aminoácidos das células da camada mais externa da epiderme para conferir uma cor mais escura a pele. Normalmente, o bronzeado dura 5 a 7 dias devido ao ciclo de renovação celular da epiderme.  

Como aplicar

Obter um bronzeado sem marcas ou imperfeiçoes não depende só do produto mas também de como o aplicamos e da preparação da pele. Para evitar aquelas marcas indesejáveis que evidenciam um bronzeado artificial seguem algumas dicas:

  1. Exfoliar antes da aplicação para remover as celulas mortas. A exfoliação pode ser feita no banho com exfoliante de açúcar ou sal ou na pele seca com um hidratante que contenha hidroxiácidos (AHA ou BHA).
  2. Depilação deve ser feita no dia anterior de maneira a evitar acumulação de produto nos poros dilatados. Fazer a depilação depois da aplicação não é aconselhado, pois vai diminuir a durabilidade do bronzeado.
  3. Hidratar a pele, especialmente nas zonas mais secas, como cotovelos e joelhos. Estas têm tendência a absorver mais produto do que no resto do corpo e ninguém quer um bronzeado não uniforme. 
  4. A aplicação deve ser feita de baixo para cima, ou seja, no sentido pés-cabeça em movimentos circulares. Para as costas o melhor é pedir ajuda, uma vez que ser a própria pessoa a fazê-lo sozinha só vai resultar em produto mal espalhado. Depois da aplicação deve-se esperar pelo menos 15 minutos antes de se vestir evitar manchar a roupa.
  5. Lavar as mãos imediatamente a seguir a aplicação. Tendo sido a zona do corpo mais exposta ao autobronzeador durante a aplicação, há uma grande acumulação de produto que vai deixar a pele das palmas laranja.

A maioria dos autobronzeadores não confere proteção solar e por isso o uso de protetor solar não deve ser posto de lado, principalmente na cara, durante todo o ano. 

Drunk Elephant D-Bronzi Anti-Pollution Bronzing Drops – Um sérum, que para além de conferir um bronzeado natural contém ainda antioxidantes que protegem a pele da poluição. Por ser concentrado basta adicionar uma gota ao nosso serum ou creme hidratante para aquele bronzeado natural desejado. Pode ser usado em todas as peles e pode ser aplicado tanto na cara como no corpo.

St. Tropez Classic Bronzing Mousse – Uma mousse que permite um bronzeado gradual, que se adapta à pele de cada pessoa, conferindo uma cor muito natural ao fim de 8 horas. Eu já experimentei e achei que deixava um toque e acabamento muito natural, mesmo para um tom de pele claro como o meu. Deve ser aplicado com uma luva (que vem com o produto) em movimentos longos.

Bioderma Photoderm Autobronzant – Bruma autobronzeadora com acção hidratante. Também já experimentei e gostei muito do aspecto final da minha pele. Por ser uma bruma é muito fácil de aplicar sem ser necessária grande técnica para espalhar o produto. Dá para 7-8 aplicações, no máximo.

Usar proteção solar aliada a auto-bronzeadores é uma ótima maneira de prevenirmos a nossa pele dos danos do sol sem deixar de ter aquele aspecto luminoso que um bronzeado consegue conferir.