Chegando ao Natal…eu venho falar da minha viagem à Indonésia, feita em Agosto. Sim, Agosto, há 4 meses atrás!

Ainda que consiga viajar bastante pela Ásia, viagens não são o foco do blog e por isso ter feito feito a viagem há 4 meses atrás ou na semana passada não me parece fazer muita diferença para o caso. Por isso mesmo vai ser um post muito breve, apenas para deixar uma ideia do que fiz por lá e algumas fotos (deixo-vos também algumas tiradas com a Lomo Purple descartável).

Primeiro, Kuala Lumpur

A escala foi em Kuala Lumpur, na Malásia, onde acabámos por ficar 2 noites. É literalmente uma selva de prédios no meio de uma selva natural e claro, muito húmida e quente, tal como Macau. Não me surpreendeu propriamente. Muitos prédios, muitas mesquitas e centros comerciais, foi isto que senti.

No entanto, deu para aproveitar bem para “degustar” a comida local. Sendo eu fã de comida asiática, não me pareceu ser assim tão mau. Desde mercados de rua a food courts de comida local e singaporeana, como o Lot 10 Hutong Food Courts, onde comi um ramen DI-VI-NAL! Outro sítio interessante que visitámos foi o Heli Bar, um bar num antigo heliporto, de onde é possível ter uma vista 360º da cidade.

Ubud, Bali

Ubud foi uma excelente surpresa. O nosso hotel, literalmente no meio da floresta, tinha uma relação bastante simbiótica com o ambiente à volta. Os empregados eram super acessíveis e preparavam-nos uns buddha bowls excelentes para pequeno almoço. Super pacífico, ideal para um retiro, apesar de não ter sido esse o nosso propósito.

Na nossa primeira manhã em Ubud visitámos o Puri Saren Agung (Palácio Real de Ubud) e à tarde fomos à Sacred Monkey Forest of Padangtegal, onde habitam mais de 700 macacos de cauda longa. Terminámos o dia no Pura Taman Sarswati (Taman Sarwasati Temple) onde vimos uma dança tradicional Balinesa.

No 3º dia em Ubud, levantámo-nos às 2 da manhã para subir o Monte Batur (vulcão activo) e ver o nascer do sol . Foram 3 horas a subir e 3 horas a descer. Claramente, não sabia onde me estava a meter porque a subida foi bastante custosa para mim, que não estou habituada a fazer este tipo de atividade. Mas o topo do vulcão foi de tirar o folgo e fez-me logo esquecer as 3 horas anteriores.

No dia seguinte ainda deu tempo para experimentar café de Luwak (feito dos excrementos do animal) visitar aos Tegalalang Rice Terraces, onde a paisagem das plantações de arroz nos “degraus” das montanhas são magníficas. 

Gili Air, Lombok

No 6º dia da nossa viagem apanhámos um avião para a ilha ao lado de Bali, Lombok. Um transfer levou-nos até ao norte da ilha onde apanhámos barco para passarmos mais 2 dias na ilha Gili Air. Gili em Lombok significa ilha pequena e existem 3, Gili Trawangan (a maior) , Gili Air (média) Gili  Meno (a mais pequena). As Gili são ilhas corais e por isso é normal encontrarmos restos de corais na areia, o que tornou a experiência de ir até à água pouco agradável para mim. Gili Air, tendo apenas 5km de circunferência deu perfeitamente para dar a volta a ilha durante cerca de 2 horas. 

A Gili Air foi o destino ideal para descansar depois da subida ao Monte Batur. Os nossos dias foram praia, piscina, muita leitura e comer peixe ou carne grelhada no areal.

O facto de Lombok ser uma ilha maioritariamente Muçulmana, todos dias de manhã às 6h45 acordávamos com uma missa que passava nos altifalantes da ilha.

Sul de Lombok

Esta foi a minha parte preferida da viagem à Indonésia. Há uma clara diferença de Bali para Lombok, em termos de turismo. Em Lombok o turismo ainda não está muito desenvolvido e por isso as paisagens ainda são muito “cruas” e pouco manipuladas. Ficamos a dormir num hotel na zona de Kuta e no primeiro dia no Sul de Lombok fomos à praia Tanjung Aan, com um areal super extenso e alguns bares e restaurantes. Tanjung fica numa baía, o que permite que seja um local ideal para quem quer surfar. Apesar das ondas a água era super azul e transparente, como era de esperar.

No último dia em Lombok fizemos uma tour de barco pelas pink beaches de Lombok. Como criámos uma boa relação com o motorista que nos levou ao Norte de Lombok até Gili, foi com ele também que fizemos esta tour. No caminho até à aldeia piscatória para apanhar o barco, passámos por imensas plantações de tabaco, que é vendido para grandes produtores de tabaco, como a Marlboro. Chegados á aldeia tínhamos um barco só para nós, o que nos permitiu estar muito mais à vontade com o tempo e os locais que queríamos visitar. O dia foi simplesmente espectacular! Ao contrário das Filipinas e Tailândia a paisagem do sul de Lombok é mais árida, o que me fez lembrar um pouco o (meu) Algarve. Fizemos snorkeling (o melhor até agora, para mim) e tivemos praias só para nós. A areia cor-de-rosa não é tão evidente quanto se espera mas é possível de se ver, principalmente perto da rebentação. Água turqesa e morna, areia cor-de-rosa e muito sol. Foi excelente para terminar esta viagem.

A Indonésia ficou no meu coração, pelas paisagens lindas, comida deliciosa (como em toda a Ásia!) e pessoas super simpáticas e prestáveis (provavelmente o povo mais caloroso aqui da Ásia) e sem dúvida que fica na minha lista dos países aos quais quero voltar.